Pozzoli Rítmico em Áudio - 1ª à 9ª Série

LINK PARA O DOWNLOAD ATUALIZADO AQUI: Áudios do Pozzoli para Download

Olá. Mais um post sobre o Pozzoli Rítmico.

É muito simples utilizar o player abaixo: na barra principal, você econtra o botão PLAY, para ouvir o áudio.
Você ouvirá uma pequena vinheta e uma voz feminina lhe dirá qual exercício você vai escutar. Os áudios estão gravados no som de Piano e há um metrônomo no fundo, marcando os 'pulsos'.
Abaixo, a lista dos exercícios com o número da série e especificações sobre a fórmula de compasso. Basta clicar no áudio que você quer ouvir e ele carregara na barra principal; clique no PLAY e ouça. Ou, faça o download do áudio para ouvir depois clicando em DOWNLOAD.
Espero que gostem.

CD de Polifonia Primitiva - Missa da Páscoa

Está aí mais um CD de música antiga. Este é uma coletânea de peças, montando uma missa de páscoa em polifonia primitiva. O encarte do CD é bem confuso, e não especifíca muito faixas e nomes correspondentes, portanto, vou postar aqui o encarte como está, e quem descobrir o que 'ele significa' me explique depois em comentários.


Download


POLIFONIA PRIMITIVA                                                                                   
MISSA DA PÁSCOA

A
POLIFONIA PRIMITIVA

1. 000 Sit Gloria
2. 007 Rex Coell
3. 016 Alleluia
4. 062 Regi Rebum Glorioso (s. XI)
5. 073 Agnus Dei (org. livre s. XII)
6. 095 Seneacentes mundano Filio
7. 135 Benedicamus
8. 150 Rex Imenso
9. 180 LEONINUS MAGISTER (s. XII)
Polif. Alleluia Paacha Nostrum
    a)    Organum Duplum - Alleluia 
    b)    Org. Duplum - Paacha Nostrum
    c)     Moteto a/ Nostrum
    d)    Org. Duplum - Immolatus
    e)    Moteto ''Ave Maria'' a/ clausula Immolatus
10. 293 Congaudeent - Conductus
11. 239 Cláusula ''Hec Dles''
12. 404 PEROTINUS MAGIST. (s. XIII)
Organum triplum - Alleluia Cláusula ''Mors''
13. Moteto ''Virgo Povit''
14. Conductus ''Christs Veritat'' 


B
MISSA DA PÁSCOA

1. Antifona - ''Pueri Hebraeórum''
2. Introito - ''Resurrexl''
3. KYRIE
4. GLORIA
5. Gradual - ''Hec dies''
6. Alleluia - ''Pascha Nostrum''
7. Sequencia - ''Viectimae Paschall''
8. CREDO
9. Offertório - ''Ascendit''
10. SANCTUS
11. PATER NOSTER
12. AGUNUS DEI
13. Communio - ''Pascha Nostrum''
14. Ite Missa Est
15. Troppo de Kyris



Fernando Britto 
Fernando Britto Fernando Britto é regente, pianista, e blogueiro de plantão. Cursando composição na FIAM-FAAM , está sempre à procura de novos horizontes, antenado para as oportunidades.
Saiba mais aqui...

Guido 1.03 - Software para Percepção Musical

Nas minhas buscas por programas de estudo musical, encontrei um bem simples e interessante. é o Guido 1.03. Ele utiliza os sons MIDI do pc, o que faz o programa ser leve e rápido (sem travamentos).

As funcionalidades desse programa são:
  • Modo 'Estudo', no qual o usuário pode ouvir os intervalos, modos ou acordes selscionados para o teste;
  • Qualquer combinação ou combinações de exercícios;
  • Modo de 'teste seletivo', onde você pode estudar um único intervalo, modo, acorde ou altura absoluta, em comparação com os outros.
  • Indicação 'on line' de acertos/erros (requer configuração, mas eu não consegui);
  • O computador 'aprende' os erros do estudante, insistindo nos intervalos, modos ou acordes que apresentaram maior dificuldade.
Espero que aproveitem bem.
Bons estudos!




Esclarecimentos sobre as TÉTRADES

Na música (tonal), tétrades são acordes de 4 sons. O mais usual é dizer que tétrades são tríades com uma sétima (dissonância) acrescida, porém existem formações que possuem uma 9ª (dissonância) e, por sua vez, uma nota é retirada da tríade, fazendo com que tenhamos um acorde com 4 sons, e na verdade 2 dissonâncias.
Recentemente em um post eu falo sobre os acordes de três sons: as tríades, no violão e no teclado.


Teclado x Violão - Qual devo escolher?



Mas vamos falar um pouco sobre as tríades com sétima.
Hoje, no nosso ouvido do séc. XX (porque séc. XX nos soa como atual, embora estejamos no séc. XXI), os acordes com sétimas, as tétrades, já são muito bem assimiladas. Seja na 'música erudita' moderna, ou contemporânea, ou na 'música popular', jazz, entre outros, esses acordes estão presentes quase 100% - e em alguns movimentos, 100%.
Porém, ainda assim muitos encontram dificuldade quando analisam esses acordes com mais atenção. Realmente, são muitas informações em uma única tétrade, mas vamos tentar simplificar essa análise.

Vejamos primeiro, como pode se apresentar um acorde de sétima:
Existem (basicamente) 3 sétimas possíveis em uma tétrade: a sétima maior; a sétima menor; e a sétima diminuta.
Vamos nos ater às duas primeiras agora.

Uma tétrade possui as mesmas qualidades de uma tríade, ou seja, pode ser maior, menor, aumentada, ou diminuta. Mas quando adicionamos as sétimas, esses acordes podem sofrer algumas alterações.
Finalmente, é possível classificar - de uma maneira bem simples - as tétrades em 3 categorias: sétimas maiores, sétimas menores, e sétima diminuta. Fica assim essa divisão.

ACORDES COM SÉTIMAS MAIORES

  • O acorde pode ser: maior com sétima maior; menor com sétima maior.

Existe também o acorde aumentado com sétima maior, mas falaremos dele em outra oportunidade.

ACORDES COM SÉTIMAS MENORES
  • O acorde pode ser: maior com sétima menor; menor com sétima menor.


Essas duas classificações são referentes aos acordes maiores e menores, porém faltam as tríades diminutas com sétima. Da mesma forma como os de cima, são simples. Existem dois tipos de tétrades diminutas: os meio diminutos e os diminutos (diminuto completo).

A tétrade diminuta sempre tem por base a tríade diminuta, ou seja, o acorde formado por duas terças menores sobrepostas:


Nesse tipo de acorde, podemos ter dois tipos de sétimas: a sétima menor ou a sétima diminuta.


Ao primeiro acorde dado acima (com sétima menor), damos o nome de meio diminuto, e o segundo, chamamos de tétrade diminuta (diminuto completo).

Espero ter esclarecido as dúvidas dos estudantes de (princípios de...) harmonia.
Qualquer dúvida, pergunta, sugestão, postem um comentário.

Bom estudo!



Fernando Britto 
Fernando Britto Fernando Britto é regente, pianista, e blogueiro de plantão. Cursando composição na FIAM-FAAM , está sempre à procura de novos horizontes, antenado para as oportunidades.
Saiba mais aqui...

Esclarecimentos sobre as inversões de acordes

Olá queridos leitores. Hoje, falaremos de um assunto muito interessante (para os músicos de plantão.. rs): inversões de acordes.
Em primeiro lugar, é preciso compreendermos os 'nomes' frequentemente usados quando abordamos este assunto. São alguns deles: posição do acorde; inversão do acorde; acorde com baixo invertido; entre outros. Então, esclarecendo os nomes:
  • Posição do acorde: sempre que o acorde está sendo tocado, sejam as notas que estão em baixo (no baixo) a fundamental do acorde (nota que dá o nome ao acorde), a terça, ou a quinta, todas são diferentes posições do acorde. Ou seja, em um acorde de três sons (tríade), teremos então 3 posições. Ficam assim no acorde de dó maior:
1º posição: DÓ - MI - SOL
2º posição: MI - SOL - DÓ (com a terça no baixo)
3º posição: SOL - DÓ - MI (com a quinta no baixo)

  • Inversão do acorde: diferente da 'posição' que um acorde pode estar, a inversão é quando 'invertemos' a ordem das notas do acorde (óbvio..). Portanto, temos o estado fundamental do acorde (quando a primeira nota do acorde está no baixo) e apenas 2 inversões. Ficam assim no acorde de dó maior:
Estado Fundamental:  DÓ - MI - SOL (com a fundamental do acorde no baixo)
1º Inversão: MI - SOL - DÓ (com a terça no baixo)
2º Inversão: SOL - DO - MI (com a quinta no baixo)

  • O termo 'acorde com baixo invertido' é justamente uma inversão, ou seja, um acorde em que o baixo está fazendo qualquer nota deste acorde que não seja a sua fundamental. Por exemplo, quando tocamos um Sol Maior, e o baixo está tocando a nota SI, então, é um acorde com  o baixo invertido, tocando a terça do acorde.

''Mais sobre os acordes e suas inversões, aplicações, e utilização no próximo post.''
Até logo.
''A vida tem trilha sonora''