O Maestro

O MAESTRO

O maestro! figura importante; nome imponente. Mas muitos não entendem a real função de um maestro quando está a frente de uma orquestra.

A importância e necessidade do maestro foi, há muito tempo, não muito relevante, mas hoje é bem diferente. A ''regência'' surgiu por consequencia da evolução da música. A partir de um momento na história da música, se fazia necessário uma pessoa que pudesse, principalmente, designar os tempos de uma música, para que os músicos não tocassem de forma desordenada. O maestro usava um bastão para bater no chão, marcando a métrica musical. Essa foi a primeira aparição do ''maestro'', ainda que de uma forma bem arcaica.



Com o passar do tempo, os próprios músicos perceberam que não era interessante esse bastão utilizado pelo maestro, pois já que todos tinham que ouvir, logo, o público ouviria também e sendo assim, o som do bastão interferia na música diretamente. Foi ai que surgiu a idéia de o maestro indicar o tempo através de gestos das mãos e braços, chegando até os dias de hoje da maneira como conhecemos.




Mas tudo isso se deu devido a 2 fatores principais:

1 - O número de músicos nas orquestras aumentava consideravelmente. Logo, o spalla (1º violinista da orquestra) sozinho, não dava conta de auxiliar todos os músicos na métrica das músicas.

2 - A dificuldade técnica que se encontrava nas músicas aumentava e, portanto, era preciso alguém para indicar voltas, dinâmicas, tempo musical, e outros elementos da música.

Pode-se dizer que o maestro, como o vemos hoje, surgiu no Romantismo, onde as massas orquestrais cresceram muito em relação ao período anterior, o Classicismo; ele chega aos nossos dias como a figura mais representativa da música erudita. 




0 comentários:

Postar um comentário

''A vida tem trilha sonora''